Usuários de crack cobram R$ 1 de novatos para ensinarem a fazer cachimbo

O Globo

Prefeitura acolheu 421 viciados em 16 operações realizadas na região; cracolândia ao lado da favela Parque União foi alvo de nova ação

Enquanto agentes da prefeitura tentavam convencer na quinta-feira viciados que estavam na cracolândia que fica ao lado da Favela Parque União, no Complexo da Maré, a acompanhá-los até um abrigo, outros usuários consumiam crack e comercializavam copinhos de água mineral, com os quais fazem cachimbos para consumir a droga. Um usuário que não se identificou contou que os copos são vendidos a R$ 0,50 e R$ 1. E que, para ganhar dinheiro e poder comprar mais pedras de crack, dependentes passaram a cobrar R$ 1 para ensinar novos viciados a transformar os copos de água em cachimbos no Parque União.

Ao todo, 23 usuários da droga foram recolhidos, incluindo dois adolescentes, internados compulsoriamente. A ação da prefeitura contou com a ajuda de policiais militares do 22º BPM (Maré) e agentes do Batalhão de Polícia Rodoviária da PM.

Os militares ficaram posicionados nas saídas da Avenida Brigadeiro Trompowsky, para evitar que dependentes da droga corressem pelas pistas da Avenida Brasil quando percebessem a aproximação da equipe da prefeitura. Em outras ações, eles já se puseram em risco, correndo por entre os carros que trafegavam pela via.

A operação de acolhimento foi a 16ª ação consecutiva na região. De acordo com a Secretaria municipal de Assistência Social, desde a primeira operação, foram realizados 421 acolhimentos. Desse total, 41 crianças e adolescentes acabaram sendo internados para tratamento. Ainda segundo a secretaria, esse trabalho também vem sendo realizado em outras localidades do município.

Na quinta-feira, uma semana depois de terem acolhido e internado a usuária de droga Adriana Motta, que estava com pneumonia, agentes a encontraram em meio ao lixo e à sujeira na Praça do Caracol, onde viciados costumam se reunir para consumir o crack. Aos educadores, ela contou que não ficou internada. Segundo Adriana, depois de receber os medicamentos, ela preferiu voltar para a cracolândia. Na quinta, sob o efeito da droga, ela se negou a acompanhar os agentes mais uma vez até o Centro de Acolhimento em Paciência.

Uma viciada em crack que havia sido ferida no supercílio durante uma briga com outro usuário foi atendida na quinta-feira na ambulância da prefeitura, que acompanha as operações. Sem querer se identificar, ela foi medicada por enfermeiros, que fizeram um curativo. Ao deixar a ambulância, porém, a usuária se recusou a ir para o centro de acolhimento.

Além das ações da prefeitura na cracolândia, a PM também tem buscado apreender a droga que é vendida na favela Parque União. No último dia 6, agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) realizaram uma operação no local. No total, os policiais militares apreenderam 312 sacolés de cocaína e uma pedra de crack. Todo o material apreendido na operação foi levado para a 21ª DP (Bonsucesso).

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s