Após ação contra tráfico, policiamento é reforçado na região da Cracolândia

G1

O policiamento na região da Cracolândia, na região central de São Paulo, foi reforçado neste sábado (2), segundo informou o SPTV Viaturas da Guarda Civil Metropolitana e da Polícia Militar estão espalhadas pela área. Em alguns pontos, barreiras impedem a passagem de pessoas com material que possa servir para a construção de um novo acampamento.

Na quarta-feira (29), uma operação desmontou barracas usadas para o tráfico e consumo de drogas na região. Houve tumulto e dois moradores de rua foram atingidos por estilhaços de um disparo feito por um policial militar sem farda.

Mesmo com a presença da GCM e da PM, dependentes químicos ainda se concentravam em outras ruas da região central neste sábado.

Investigação
A Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo apura a ação do policial que atirou para o chão. O incidente ocorreu durante o início da segunda fase da Operação Braços Abertos, que desfez barracas improvisadas sobre calçadas na região e ampliou a oferta de vagas em programas de assistência social.

O tenente-coronel Marcelino Fernandes, chefe da Corregedoria da Polícia Militar, disse ao G1 que o órgão apura se houve excesso e vai avaliar vídeos da confusão.

“Foi instaurado inquérito policial militar no âmbito administrativo da corporação para apurar se houve excesso desse policial e se ele agiu corretamente”, disse o oficial. “O policial será ouvido. Vamos tentar localizar as vítimas e testemunhas e ainda analisar os vídeos da confusão”, afirmou.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), o policial militar atirou para o chão porque um grupo de moradores de rua  o agrediu e também atacou outro policial, que foi atingido por uma barra de ferro na cabeça. Segundo a PM, o policial ferido com a barra chegou a ser internado um hospital, mas foi liberado nesta manhã após receber pontos na cabeça.

Durante a confusão na Cracolândia, a Guarda Civil Metropolitana (GCM) retirava a ‘favelinha’, como ficou conhecido o conjunto de barrados dos viciados na região.

Sem aviso
Por meio de nota, a SSP informou que a Prefeitura de São Paulo não “não comunicou previamente as polícias de que faria (…) a retirada das barracas e carroças da região da Nova Luz” e que “estava acertado era o apoio policial para cadastramento dos dependentes químicos”.

Na manhã de quinta-feira (30), o prefeito Fernando Haddad (PT) parabenizou a ação da GCM na Cracolândia no dia anterior. “Redução de dano: Parabéns a GCM por desmontar as barracas que serviam ao tráfico e permitir mais 126 dependentes acolhidos no Braços Abertos”, escreveu Haddad em sua conta no microblog Twitter.

O comandante Gilson Menezes também disse nesta quinta que a operação foi bem sucedida e afirmou que a guarda vai apreender qualquer nova barraca montada na região. “A ação de ontem foi uma reorganização do espaço público e ela foi muito bem sucedida, porque afinal de contas ela visava à retirada das barracas que eram usadas como esconderijos de armas e drogas, inclusive utilizadas também nas mãos de traficantes”.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.