Cocaína, álcool e crack são as drogas mais usadas entre assistidos no RJ

G1

Levantamento foi feito entre usuários atendidos pela Sepredeq em 2014.
Entre eles, 57,8% usam cocaína, 37,1%, álcool e 21,3%, crack.

Do G1 RJ

Um estudo coordenado pela Secretaria de Prevenção à Dependência Química (Sepredeq) entre usuários assistidos pelo órgão levantou as drogas mais consumidas entre eles no Rio de Janeiro. Segundo o levantamento realizado com 2,9 mil usuários que buscaram atendimento em 2014, o crack é a terceira drogas mais consumidas no estado, atrás apenas do álcool e da cocaína. De acordo com os números, 57,8% usam cocaína inalada, 37,1% são usuários do álcool e 21,3%, de crack.

Sobre os usuários de crack, a maioria é do sexo masculino (79%), não concluiu o ensino fundamental (47%), de cor parda (42,6%), e tem entre 18 a 34 anos (66,2%). Outro dado chama a atenção: 72,9% não mora na rua, embora passe boa parte do tempo nos locais de uso da droga. Os dados foram apurados no Observatório de Gestão e Informação sobre Drogas, ligado à Sepredeq.

Desde a criação da Sepredeq, em 2013, mais de cinco mil usuários de drogas foram atendidos. A rede do Estado conta com 514 vagas para acolhimento de usuários de drogas.

A partir desse mês, o Comitê Estadual de Gestão do Plano de Enfrentamento ao Crack visitará os 13 municípios fluminenses que aderiram ao programa federal “Crack, é possível vencer”. O objetivo é monitorar o que foi feito e ajudar os municípios em seus desafios na implementação do Programa.

Confira os dados detalhados sobre o crack entre janeiro e dezembro de 2014:

Sexo
79% homens
21% mulheres

Escolaridade
47% têm o ensino fundamental incompleto
18,2% concluíram o ensino médio
2,4% têm ensino superior

Cor ou raça
32,8% branca
22,4% preta
42,6% parda
2,2% amarela

Idade
19,1% tem entre 18-24 anos
22,8% tem entre 25-29
24,3% 30-34 anos
13,4% tem 35-39
10,4% tem entre 40-44 anos

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.