Uso de maconha sintética leva a internações nos EUA

Jornal Folha de S. Paulo – DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Kelley McCall/Associated Press
K2, uma das marcas de maconha sintética à venda nos EUA
K2, uma das marcas de maconha sintética à venda nos EUA

No mês passado, os Estados Unidos viram um aumento vertiginoso do número de internações causadas pelo uso da chamada maconha sintética.

O produto é feito com plantas borrifadas com substâncias químicas que mimetizam os efeitos do principal ingrediente psicoativo da maconha, o THC.

A versão sintética, porém, pode ser bem mais potente. Surgiu nos EUA em 2008 e logo se tornou disponível em lojas de conveniência, estabelecimentos que vendem equipamentos para fumo e também na internet.

Em janeiro deste ano, os centros de controle de intoxicações do país registraram 359 casos de problemas de saúde ligadas ao produto. Em fevereiro e março, foram 273 e 269 casos, respectivamente, mas o número de internações subiu para 1.500 em abril.

Segundo Steven Marcus, diretor executivo do sistema de educação e informação sobre intoxicações de Nova Jersey, uma possível explicação para esse aumento é um composto chamado MAB-Chminaca, encontrado em testes realizados com amostras de maconha sintética confiscada pela polícia em diversos Estados americanos onde as pessoas foram internadas.

O MAB-Chminaca é relativamente novo e ainda não foi proibido. Um composto similar, AB-Chminaca, surgiu no mercado ilegal de drogas no ano passado e foi declarado ilegal em janeiro.

Um pacote de 3 g de maconha sintética custa cerca de US$ 30, preço similar ao da maconha. As embalagens levam o aviso “não recomendado para consumo”, numa tentativa de evitar a regulação.

O produto se tornou popular porque é mais fácil de ser comprado, parece ser inofensivo e suas substâncias não são detectadas em testes de drogas, segundo o Instituto Nacional de Abuso de Drogas.

A maconha sintética, porém, pode ser mais potente do que a comum e causar vômitos, convulsões, alucinações, pressão alta, perda da consciência e até a morte.

Houve duas mortes por overdose no Mississipi e uma em Virginia. No Alabama, mais de cem pessoas foram internadas; em Nova Jersey, foram mais de 30. O Estado de Nebraska registrou ainda mais de cem casos de overdose.

Em Nova York, houve mais de 120 atendimentos nos prontos-socorros ligados à maconha sintética durante pouco mais de uma semana em abril. Para efeito de comparação, foram duas ou três consultas por dia no começo do ano, segundo o departamento de saúde da cidade.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.