Cinco pessoas morrem por dia após consumo de cocaína em São Paulo

Folha – UOL – Rogerio Pagnan, Reynaldo Turollo Jr, Gabriel Alves

Ao menos 1.685 pessoas morreram no Estado de São Paulo em 2013 após terem consumido cocaína –média de cinco mortes por dia.

A lista inclui casos de forte indicativo de overdose e situações em que a droga foi um “fator contribuinte”.

Nesta última categoria está, por exemplo, a pessoa que usou a cocaína e bateu a cabeça numa sarjeta. Morreu sob o efeito do entorpecente, mas não de overdose.

Editoria de Arte/Folhapress

Os números constam de um trabalho acadêmico da biomédica Alessandra Lapenta Gomes, com base em dados do Núcleo de Toxicologia do IML de São Paulo.

Segundo o perito criminal Julio Ponce, especialista em toxicologia e orientador do estudo, o resultado traz um número ainda subestimado.

Um dos motivos é que os exames para detecção da droga são feitos, na maioria das vezes, quando já existem indícios que liguem a morte ao seu consumo. Por exemplo, quando a vítima tem resquícios de pó branco nas
narinas ou quando há relatos de testemunhas.

Para o psiquiatra e professor da Unifesp Ronaldo Laranjeira, a média de cinco mortes por dia após o consumo da substância é factível.

“Especialmente se considerarmos o efeito da cocaína combinada com o álcool, que aumenta a chance de overdose”, afirma o médico.

‘GATORADE’

O estudo se concentrou em exames que detectaram mais de 0,7 micrograma de cocaína por mililitro de sangue, pouco abaixo do valor de referência para casos clássicos de overdose (0,9).

Registros menores, porém, não excluem a possibilidade de a overdose ter ocorrido (já que isso depende das condições em que o teste foi feito).

Foram 88 casos selecionados pela linha de corte, 11 deles com concentração superior a cinco microgramas –mais de cinco vezes a quantidade considerada letal.

Quatro dessas superdosagens foram encontradas nos corpos de presos do sistema penitenciário de São Paulo.

A pesquisa aponta para a possibilidade de essas vítimas terem sido obrigadas por outros detentos a ingerir uma mistura de várias drogas conhecida como “gatorade”, que inclui a cocaína. Assim, seriam casos de
homicídio.

Há também um caso de superdosagem de uma “mula”, pessoa aliciada pelo tráfico para transportar cápsulas da droga no estômago –o material teria estourado.

A maioria das mortes, porém, foi de pessoas que usaram a cocaína para recreação.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.