ANÁLISE DA SITUAÇÃO BRASILEIRA

O consumo de drogas lícitas e ilícitas tem aumentado progressivamente no Brasil nos últimos 20 anos. Dados públicos recentemente pela Universidade Federal de São Paulo mostraram que para cada usuário de drogas existem quatro familiares afetados, o que totaliza 30 milhões de brasileiros. Mais do que em ABC e a cidade de São Paulo.

O debate na mídia estimula por um verdadeiro lobby bem organizado, acaba criando a ideia de que a melhor solução seria a completa legalização de todas as drogas, começando pela maconha.

Colocamos em fase na prevenção e no tratamento enquanto ao mesmo tempo defende que o sistema de justiça possa retirar os usuários de drogas não violentos que cometeram algum crime do sistema prisional para o sistema de tratamento.

Devemos proteger os direitos humanos como parte fundamental dessa política. Os cidadãos, em especial as crianças, devem ter o direito de viver em um ambiente livre de drogas e de crime, quer seja na sua família ou comunidade.

As políticas modernas em relação ás drogas devem reconhecer que a dependência de drogas é uma doença crônica do cérebro que pode ser tratado e prevenida.

Deveríamos criar programas específicos para orientar os familiares. Esses programas deveriam facilitar o conhecimento das famílias em termos dos princípios da prevenção ao uso de substâncias. Na realidade os familiares deveriam ser os primeiros ”agentes de prevenção” ao uso de qualquer substância, em especial as lícitas como o álcool e o tabaco. Além disso as familiares deveriam saber como lidar se algum de seus membros começassem a usar drogas, ter claro sobre estratégias de desestimulo ao consumo.

Precisamos apoiar o sistema de recuperação social, que são as ações que deveriam acontecer após a interrupção do uso, como por exemplo: ações das igrejas no apoio a comunidades terapêuticas, recuperação, grupos de ajudas mútua como Alcoólicos Anônimos (AA), Narcóticos Anônimos (NA), Amor Exigente (AE). Além disso precisamos oferecer apoio na reabilitação profissional das pessoas em recuperação.

O desenvolvimento de uma estratégia para reduzir os crimes relacionados aos consumos de drogas é muito importante. A experiência internacional mostra que criar alternativas á prisão para usuários de drogas não violentos, através da prática da Justiça Terapêutica, é uma prática com excelentes resultados. Basicamente deveríamos oferecer tratamento, como monitoramento da abstinência, como alternativa á prisão. Vemos as escrituras:

Este é o holocausto perpétuo que vos oferecestes no monte Sinai, consumido pelo fogo, em suavíssimo cheiro para o Senhor. Um quarto derramareis da mesma sorte á tarde e outro cordeiro, com as mesmas cerimônias do sacrifício da manhã, e das suas libações, oferta de suavíssimo cheiro para o Senhor. (Nm 28,6).

Oferecemos vinho ao Senhor na liturgia. Não use drogas para lazer!

“Senhor, ajuda-me a perceber hoje que sou só um entre muitos e ajuda-me a descobrir onde posso ser útil aos outros.”

Haroldo J. Rahm, SJ

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.