‘Ficamos muito loucos, sim’, diz namorada de jovem morto após rave

Menina fez desabafo no Facebook: ‘Só quero que respeitem minha dor’.
Corpo de jovem foi encontrado em rio de Valinhos depois de festa.

Jomar Bellini Do G1 Sorocaba e Jundiaí

(Foto: Reprodução / Facebook)

A namorada do jovem Pedro Pinto de Paula Neto, de 22 anos, que morreu após participar de uma festa rave, desabafou em uma rede social sobre a morte dele. Nas publicações, Layane Dziecinny, que mora em Sorocaba (SP), relata o uso de entorpecentes na rave, os últimos momentos em que viu Neto durante a festa e diz estar sofrendo represálias por parte da família.

“Ficamos muito loucos, sim, como de costume. Agora recebo a notícia que o amor da minha vida morreu e eu não vou poder nem ir ao velório me despedir porque tanto a família como os amigos também acreditam que eu forcei ele a se drogar. Só queria que respeitassem minha dor”, escreveu em seu perfil no Facebook.

O corpo do jovem, que morava em Praia Grande, foi encontrado no Rio Atibaia, em Valinhos (SP), na quarta-feira (17).

Em entrevista ao G1, a irmã de Pedro, Flavia Brandão de Paula, afirma que o comportamento do jovem mudou após ele começar a namorar. “Para nós, familiares, esse negócio de drogas é novidade. Não sabíamos que ele usava, aqui em casa ninguém bebe ou usa drogas”, afirmou.

Muito mais fácil jogar a culpa em mim do que aceitar que o filho usava entorpecentes”
Layane Dziecinny

Layane, entretanto, nega que tenha influenciado Pedro e que os dois já usavam entorpecentes quando se conheceram.

Ela diz também que chegou a receber ameaças e acusações tanto de amigos como de familiares do jovem durante o período em que ele esteve desaparecido. “Qualquer um que olhar o Facebook do Pedro vai ver que não foi comigo que ele começou a ir a festas. Tanto eu como ele já íamos há muito tempo em raves antes mesmos de nos conhecer. Muito mais fácil jogar a culpa em mim do que aceitar que o filho, assim como eu, também usava entorpecentes. O pior de tudo são os ‘amigos’ que também usavam drogas com ele me crucificando. Vocês acham que eu, com 1,56 [m de altura] consegui obrigar ele a usar alguma coisa?”, questiona.

‘Perdemos o controle’
A namorada de Pedro conta que o jovem veio para Sorocaba no último dia 12, quando reataram o namoro e combinaram de ir até a festa no fim de semana, em Valinhos. No local, ela relata o uso de drogas, sem especificar o tipo de alucinógeno. “Fomos de excursão e, chegando lá, fizemos o que nos dois já estávamos acostumados a fazer: ficamos muito loucos sim, como de costume. Mas depois de um tempo perdemos o controle tudo”, escreveu.

Em seguida, ela conta que teve uma luxação após cair e machucar o joelho. “Ficamos tendo surto por um bom tempo e fomos muito bem atendidos”, diz, ao afirmar que seguiram em direção a uma barraca, conversaram e após um tempo sentaram por causa das dores. “Pedro disse que iria ao banheiro, ali do lado, voltou e logo depois escutou o som da pista e saiu correndo”. Logo depois, a jovem afirma que procurou o namorado pela festa, mas não o encontrou mais.

Layane também agradeceu as mensagens de apoio que vem recebendo de amigos. “Tenho me apegado muito a Deus, e ele tem me dado forças pra continuar. As vezes só passando pela dor pra mudarmos o rumo de nossas vidas.”

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.