Pesquisa mostra que fumante gasta até R$ 10 mil por ano com cigarros

Levantamento foi realizado por estudantes de Maringá, no norte do Paraná.
Pesquisa apontou que um carro popular custa 4.290 maços de cigarros.

 Do G1 PR, com informações da RPC Maringá

Dificilmente um fumante sabe quanto gasta com cigarros por mês. Mais difícil ainda é encontrar uma pessoa não fumante que tenha essa noção. Mas, uma conta feita pelo Centro Universitário Cesumar (Unicesumar), de Maringá, no norte do Paraná, demonstrou que muita gente pode estar gastando R$ 10 mil por ano somente com a compra de cigarros. Ou seja, uma média de quatro maços de cigarros por dia.

O levantamento reforça um estudo internacional feito em 20 países, incluindo o Brasil, que revelou que o brasileiro fumante consome, em média, 17 cigarros por dia.

Ao considerar que um maço de cigarro fabricado no Brasil custa em média R$ 7, o usuário que consome diariamente um maço de cigarro, no fim do mês o gasto será de R$ 210. Já se o fumante consome dois maços por dia, ele vai precisar desembolsar R$ 420 mensais, ou seja, metade de um salário mínimo.

Em Maringá, ao realizar a pesquisa, os pesquisadores descobriram, por exemplo, que uma camisa nova custa doze maços de cigarro. Um carro popular sai por 4.290 maços de cigarros, e para comprar uma casa que custa R$ 150 mil seria necessário 21 mil maços de cigarros.

A pesquisa ainda mostra que uma pessoa que fuma dois maços de cigarros por dia, durante 20 anos, poderia comprar uma casa de R$ 100 mil se não fumasse. .

Após fazer as contas e as comparações, o grupo de pesquisadores espalhou cartazes pelo campi da universidade para alertar fumantes e não fumantes.

“Nós queremos conscientizar as pessoas que o cigarro não provoca apenas problemas de saúde, mas também é um problema econômico. Com os cartazes, chamamos a atenção para o gasto”, explica um dos pesquisadores Joselmo Rezende.

A conta pode ser ainda mais impressionante quando se pega dados de quanto a indústria de tabaco brasileira fabricou em 2014. Segundo a Receita Federal foram mais de três bilhões de maços de cigarros. Boa parte dessa produção ficou no país. Conforme o Ministério da Saúde, 10,8% da população brasileira é fumante.

Para a médica do trabalho Carla Torres, usar o bolso do fumante como argumento para convencê-lo a parar de fumar é novidade. “A pessoa sempre acha que vai dar tempo de resolver o problema de saúde, mas muitas vezes não dá. Acredito que tendo algo palpável como esse exemplo é uma ótima estratégia”, diz.

Quem já fez as contas, percebeu que a melhor atitude foi para de fumar. Wanderley Cardoso de Souza fumava o dia inteiro, uma média de noventa cigarros por dia. Foram vinte anos assim. Até que ele percebeu o quanto estava gastando.

“Era quase um atrás do outro, isso me atrapalhava no trabalho, na minha vida social, até mesmo na minha influência diante das outras pessoas. Chegava a levantar de madrugada para fumar”, lembra o professor de economia.

Caso o Wanderley ainda estivesse fumando, ele gastaria R$ 840 por mês, mais do que um salário mínimo. Há seis anos sem fumar, ele economizou mais de R$ 60 mil. O professor de economia trocou o cigarro pela corrida. Um campeão, nas contas e no esporte.

“Eu estou aplicando aquilo que aprendi durante todo o meu curso, sendo um verdadeiro economista”, diverte-se Wanderley

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.