Namorada de morto após rave diz que largou drogas: ‘Aprendi pela dor’

G1 – Natália de Oliveira Do G1 Sorocaba e Jundiaí

Casal em foto tirada a caminho da festa em
Valinhos (Foto: Arquivo pessoal/Layane Dziecinny)

Acostumada a frequentar festas embaladas por música eletrônica e consumo de drogas, a cabeleireira Layane Dziecinny, de 24 anos, sentiu a vida “desabar” há um mês. No dia 13 de junho, ela e o namorado Pedro Pinto de Paula Neto, de 22 anos, foram a uma festa rave em Valinhos (SP). Após horas de uso deliberado de entorpecentes, já na madrugada do dia 14, Neto sumiu e foi encontrado morto três dias depois. Por conta do trauma, ela garante que abandonou a vida que tinha. “Infelizmente, aprendi pela dor. Eu nunca mais vou voltar a usar drogas”, diz a moradora de Sorocaba (SP) ao G1.

O corpo de Neto foi encontrado no Rio Atibaia, na cidade onde foi realizada a festa. O laudo do IML apontou que o jovem morreu por afogamento, mas a polícia não descarta a hipótese de homicídio.

Layane conta que a última vez que viu o namorado foi quando ele saiu correndo e a deixou para trás, na madrugada do dia 14 de junho. “Nós ficamos alucinados naquele dia [da rave]. Eu até caí na festa e machuquei o meu joelho. Daí o Pedro me deixou na barraca e, quando ouviu, barulho [se referindo à música] saiu correndo. Nessa hora, eu até fiquei brava, coisa de namorada, de pensar que ele tinha me deixado sozinha lá e, ainda por cima, machucada. Tentei ir atrás dele mesmo mancando, mas não o encontrei mais.”

Infelizmente, tive que aprender pela dor. Creio que foi um sinal para eu mudar de vida.”

A jovem diz que, mesmo diante do sumiço do namorado no dia da festa, não chegou a imaginar que o pior viria a acontecer. “Eu não imaginava que isso fosse acontecer, achei que por ele ter ficado muito louco tinha saído da festa, mas depois ia voltar. Afinal, fomos à festa e fizemos o que normalmente fazíamos. Não usamos uma quantidade grande [de drogas], usamos o que sempre usamos”, lembra.

Diante da dor de perder o namorado, com quem mantinha um relacionamento a distância – já que Neto morava em Praia Grande (SP) –, Layane garante que não vê mais sentido em continuar frequentando festas eletrônicas e usando drogas. “Creio que foi um sinal para eu mudar de vida. Não tem mais sentido ir em raves sem ele.”

Em seu perfil no Facebook, a jovem lembrou a morte de Neto. “Um mês sem o teu sorriso, sem escutar a sua voz me dando bom dia. Um mês sem os seus cuidados, sem os seus mimos”, desabafou a jovem, que garante sonhar com o jovem todos os dias. “Você ainda é o dono dos meus pensamentos.Te amo e te guardo na alma e na minha memória.”

Layane tatuou o nome do namorado no braço (Foto: Arquivo Pessoal/Layane Dziecinny)

Layane tatuou o nome do namorado no braço
(Foto: Arquivo Pessoal/Layane Dziecinny)

Tatuagem com o nome do namorado
O casal se conheceu pela internet, em grupos de festas de música eletrônica. “Nós começamos o nosso relacionamento por causa de rave, porque ele viu no meu Facebook que eu gostava e começamos a conversar”. Por quase um ano, o contato entre o casal foi apenas virtual, até que se conheceram pessoalmente em uma balada eletrônica na capital paulista e começaram a namorar.

Com quatro meses de relacionamento, Layane tatuou o nome de Pedro no braço. “Eu não tinha dúvida: o Pedro era o homem da minha vida. Eu tatuei o nome dele porque eu nunca amei alguém assim. Eu não tive medo de tatuar porque eu tinha certeza  que tinha encontrado o amor da minha vida.”

A jovem conta ainda que eles faziam planos de se casar em breve. “Estávamos planejando tudo para janeiro do ano que vem e acontece tudo isso. Não dá para acreditar, parece um pesadelo. A minha ficha ainda não caiu. Minhã mãe, minha família e meus amigos não me deixam sozinha por causa disso”, lamenta.

Depois da morte do namorado, Layane se afastou da profissão de cabeleireira. Ela diz que pretende tirar um tempo para estudar e recomeçar a sua vida. “Tenho me apegado muito a Deus e à minha família. Eu perdi uma pessoa incrível, o Pedro não era nenhum ‘noia’. Nosso erro era achar que não tinha mal algum em usar [drogas] às vezes.”

Investigação da polícia
O laudo da causa da morte do jovem, divulgado na segunda-feira (13), aponta que o jovem morreu por afogamento, segundo divulgou o delegado Sandro Eduardo Jonasson. No entanto, a hipótese de homicídio não foi descartada da investigação. Afinal, testemunhas garantem que Pedro teria sido agredido pelos seguranças da festa ‘rave’ antes de ser encontrado morto.

Pedro Pinto de Paula Neto foi encontrado morto após rave (Foto: Arquivo Pessoal)

Pedro Pinto de Paula Neto foi encontrado morto
após rave (Foto: Arquivo Pessoal)

Apesar disso, o laudo, segundo o delegado, afirma também que o corpo do jovem não apresentava sinais graves de agressão, como ossos quebrados e órgãos rompidos. ” O laudo afirma que não pode precisar a natureza das lesões. Significa que, se Pedro foi agredido, essas agressões não ocasionaram a morte dele”, diz.

A avaliação da perícia não surpreendeu Jonasson e também não significa a conclusão do caso. O corpo de Pedro foi localizado três dias após a morte dele e alguns sinais já haviam se “apagado”, segundo o delegado.

Se for necessário, dependendo dos depoimentos dos seguranças da festa – que ainda estão sendo ouvidos -, o delegado considera até mesmo questionar o laudo, em caso de motivos fortes que apontem algum engano. “Posso pedir até exumação do cádáver, se tiver motivo”.

Layane relatou últimos momentos com Pedro e desabafos no Facebook (Foto: Reprodução / Facebook)

Layane relatou últimos momentos com Pedro após confirmação da morte (Foto: Reprodução / Facebook)

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.