Portugueses contrariam Europa e querem manter canábis ilegal

Mais jovens portugueses rejeitam a ideia de legalizar a canábis, contrariando a tendência europeia. Só nos últimos três anos, subiu em 14% a estatística dos que por cá não estão interessados nesta legalização.

Se em 2011 eram 52% os jovens portugueses, dos 15 aos 24 anos, que defendiam que a canábis deveria continuar ilegal, agora são já 66%. Portugal está em contracorrente, já que a tendência europeia é para que cada vez mais jovens queiram a sua legalização. Os números dizem que na UE, em 2011, eram 59% os jovens europeus que queriam ver a canábis ilegal, agora são apenas 53%, menos 6%.

A tendência portuguesa “é surpreendente”, avança Manuel Cardoso, subdiretor geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), acrescentando que “isto vai, no entanto, no sentido de todo o trabalho que tem sido feito para sensibilizar os jovens para os comportamentos de risco”.

Manuel Cardoso lembra que, recentemente, o SICAD fez um estudo que versava sobre as novas substâncias psicoativas, verificando, igualmente, que “a maioria dos jovens, mesmo os que as consumiam, não concordavam com a sua legalização”. Aquele responsável entende que a situação em Portugal “é confortável” e que “para isto, ajudou o facto de se ter optado por não criminalizar”. “Não é crime o consumo (em pequenas quantidades), mas é proibida a comercialização. As pessoas sabem que as pode prejudicar”, defende.

Ao lado de Portugal – neste aumento de pessoas que não quer a legalização da canábis – estão países como a Holanda (mais 14% relativamente a 2011), a Bélgica (mais 13%), a Letónia (mais 8%) e a França (com mais 6% do que em 2011).

No resto da Europa, mesmo nos países onde a maioria esmagadora não quer a legalização, a tendência é para que sejam cada vez menos jovens a pensar assim. No Chipre, por exemplo, 72% dos jovens não quer a legalização da canábis, mas são já menos 10% em relação ao ano de 2011. Na restante UE, na Itália, por exemplo, são já menos 22%, na Alemanha menos 17%, na Áustria menos 14 e na Eslovénia menos 13%.

Ainda assim, e apesar de cada vez mais gente na UE começar a ser tolerante à ideia da legalização, na maioria dos países ainda vence a ideia contrária. Apenas na Holanda (53%), na Áustria (53%), na Eslováquia (54%), na Polónia (55%), na Irlanda (57%), na Itália (60%), Eslovénia (64%) e República Checa (73%), a maioria das pessoas quer a sua legalização. Destaca-se a Holanda que apesar de continuar a querer a legalização da canábis vê aumentar em 14% os que defendem a ilegalidade da substância.

Portugal está entre os primeiros 10 países que não querem legalizar a canábis e, segundo Manuel Cardoso, tal também se deve ao facto de a legislação não criminalizar o consumo. Treze anos após a lei que descriminalizou o uso de drogas, Portugal continua a ser visto como pioneiro nesta matéria. Foi muitas vezes referido, a nível internacional, como um caso de sucesso.

*COM ANTÓNIO SOARES

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.