Estudo mostra que amigos podem ajudar a reduzir depressão em jovens

G1 – Bem Estar

Modelo matemático apontou que deprimido não ‘contagia’ ânimo de amigos.
Pesquisa analisou 2 mil adolescentes americanos.

Os adolescentes não correm o risco de desenvolver depressão ao se relacionar com amigos deprimidos, e podem ajudá-los a se sentir melhor, revelam pesquisadores britânicos em um estudo publicado em agosto na revista “Proceedings of the Royal Society B”.

“Ter uma boa rede social pode ser uma forma de combater a depressão”, assinala Thomas House, um dos autores do estudo.

Os pesquisadores empregaram um modelo matemático para verificar se o estado de ânimo de cerca de 2 mil adolescentes americanos poderia ser contagioso.

O estudo não encontrou sinais de contágio e revelou, por outro lado, que a presença de amigos equilibrados pode reduzir a probabilidade de se desenvolver depressão e duplicar as chances de cura do deprimido no prazo de seis a doze meses.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 350 milhões de pessoas no planeta sofrem de depressão.

“Na sociedade, quando alentamos a amizade entre os adolescentes aumentamos as possibilidades de ter mais amigos equilibrados e um efeito protetor”, destaca House.

“Isto permite reduzir a preponderância da depressão”, por meio de um método “barato e de baixo risco”.

Os cientistas afirmam ainda que conseguiram demonstrar que o efeito benéfico não está relacionado com a propensão natural da pessoa de fazer amizade com alguém parecido.

Se os adolescentes deprimidos bebem muito, como seus amigos, devemos culpar a bebida e não os amigos.

O psiquiatra e consultor do Bem Estar Daniel Barros comenta o estudo

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.