Caminhoneiros revelam usar até crack em rodovias em SC e no PR

RBS TV ouviu motoristas que abusam de drogas para cumprir prazos.
‘Deu perto de uns 15 dias sem dormir’, relatou um deles à equipe.

Do G1 SC com informações da RBS TV

Cocaína está entre as drogas usadas na estrada
(Foto: Reprodução/RBSTV)

Para se manterem acordados durante dias e, assim, conseguirem cumprir os prazos de entrega, motoristas de caminhão usam medicamentos proibidos, cocaína e até crack. Relatos  de profissionais que cruzam as estradas do país diariamente sob o efeito de drogas foram mostrados nesta quinta-feira (24) na primeira reportagem de uma série especial do RBS Notícias.

Em quase um mês, a equipe de reportagem percorreu 2 mil quilômetros de rodovias federais em Santa Catarina e no Paraná. Conversou com motoristas, familiares e autoridades sobre o problema.

15 dias sem dormir

Medicamento proibido é usado por caminhoneiros (Foto: Reprodução/RBSTV)
“Eu fui de São Paulo a Fortaleza, Fortaleza a Natal, Natal a Salvador, Salvador a São Paulo, São Paulo a Santa Catarina. Isso deu perto de uns 15 dias sem dormir”, relata um dos caminhoneiros ouvidos pela reportagem.

Para ficar acordado, a maioria recorre ao uso de um comprimido apelidado de rebite. O medicamento é um tipo de anfetamina, que ajuda a tirar o sono e causa dependência. A venda está proibida há quatro anos.

Desde então, para conseguir o remédio, só comprando contrabandeado e a um preço alto. Muitos começaram a usar outras drogas ainda mais pesadas. Eles compram de frentistas em postos de combustíveis, de colegas e até de prostitutas, garantem.

“No começo eu usava pra virar a noite, eu trabalhava por comissão. Depois me viciei. Usei cocaína, usei crack também, rebite para dirigir. Todos eles juntos”, afirma um caminhoneiro.

Pressão dos prazos
A justificativa para os abusos é a pressão para cumprir horários determinados e entregar a mercadoria no seu destino o mais rápido possível.  “Se tu não trabalhar, vem outro trabalhar no teu lugar que faça o horário, que não para. O caminhão tem que rodar, faturar”, relata outro motorista ouvido pela reportagem.

Além de colocar em risco a própria vida, os motoristas drogados significam um grande perigo para quem trafega nas rodovias. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, em 2014 aconteceram pelo menos 5.397 acidentes com caminhões nas rodovias federais de Santa Catarina. Isso representa 30% de todos os acidentes registrados ano passado.

Nessas batidas, morreram 237 pessoas, o equivalente a 44% de todas as mortes registradas em 2014.

Acidentes sem lógica
“Nós registramos vários acidentes com caminhão tombando, sozinho, saída de pista. Acidente que não tem uma explicação lógica pra ocorrer. A partir do momento que você tem um caminhoneiro dirigindo sobre o efeito de droga e ele causa um acidente e envolve a tua família, esse problema te atingiu”, relata Luiz Grazziano, inspetor da policial rodoviária federal.

Em Santa Catarina não há um estudo específico sobre o problema. Mas em Mato Grosso do Sul, o Ministério Público do Trabalho decidiu pesquisar e coletou a urina de mais de 200 caminhoneiros. Os exames mostraram que 30% deles estavam sob o efeito de drogas como cocaína, crack ou rebites, e 10% tinham misturado mais de uma droga. Isso quer dizer que, de cada três caminhoneiros dirigindo pelas estradas, há risco de pelo menos um estar drogado.

O procurador do trabalho de Mato Grosso do Sul Paulo Douglas de Moraes afirma que o problema atinge a todos os brasileiros. “Mas atinge de forma muito mais clara, mais forte, mais perversa, as famílias dos motoristas”, conclui.

A mulher de um dos caminhoneiros é prova disso. “Eu me vejo viúva de um marido vivo. Só quer dormir, não tem vida social, sempre brigando, mal-humorado. Todos eles têm o mesmo sintoma. Tem mulheres ficando doentes junto com eles”, desabafa.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.