66% dos mexicanos rejeitam descriminalização da maconha, diz pesquisa

Yahoo Notícias – AFP

Cerca de 66% dos mexicanos não concordam com a descriminalização da maconha, e 63% quer que o tema seja debatido – é o que mostra uma pesquisa publicada nesta terça-feira pelo jornal local El Universal.

Do total de entrevistados, 32% é a favor da descriminalização, enquanto 2% preferiu não responder à pergunta.

A pesquisa foi feita entre 6 e 7 de novembro, dois dias após uma decisão da Suprema Corte de Justiça que autorizou que quatro pessoas cultivem a erva para consumo recreativo.

Segundo a pesquisa, 60% dos entrevistados é contra a decisão da corte.

O presidente Enrique Peña Nieto anunciou na segunda-feira uma ampla consulta e um debate aberto entre especialistas, sociólogos, médicos e associações que são a favor e contra a descriminalização da maconha para chegar com uma postura como país.

Peña Nieto disse que pessoalmente está em desacordo com a possível legalização do consumo de maconha no país, por considerar que pode levar ao uso de drogas mais fortes.

Um grupo de três profissionais bem-sucedidos e uma ativista social, que disseram não afeitos ao consumo de maconha, iniciaram em 2013 uma estrategia judicial para poder obter essa decisão com o objetivo final de detonar um debate no Congresso.

Estes quatro ativistas, que em alguns casos perderam parentes próximos em assassinatos relacionados com o crime organizado, disseram que querem derrubar a violência que assola o México derivada da guerra contra as drogas – que deixou cerca de 100.000 mortos e desaparecidos desde 2006.

Com a decisão do Supremo Tribunal, tornaram-se os primeiros quatro mexicanos autorizados a fumar maconha para fins recreativos.

No entanto, entre os pesquisados​​, 63% acreditam que os problemas de violência e impunidade no país não diminuirão com uma possível descriminalização da maconha.

Em contraste, 79% concordam com a legalização da erva para fins medicinais.

Graças à decisão de outro tribunal em outubro passado Grace, uma menina de 8 que sofre de uma forma grave de epilepsia, tornou-se a primeira pessoa autorizada no país a importar um medicamento produzido a partir de maconha e controla o terrível sofrendo ataques diários.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.