Paraná tem recorde de apreensão de drogas em um ano, com mais de 60 t

PRF, responsável pelas apreensões, reforça que combate foi intensificado.
Quase toda a quantidade é de maconha, encontrada em rodovias do estado.

Do G1 PR

Maconha apreendida, em 2015, chega a quase 60 toneladas (Foto: PRF/Divulgação)

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) bateu recorde histórico de apreensão de drogas em 2015 no Paraná, conforme balanço divulgado nesta quarta-feira (6).

Apenas de maconha, os agentes da PRF apreenderam cerca de 60 toneladas em rodovias do estado, no ano passado. De cocaína, foram 1.443,3 quilos. De crack, 587,6 quilos.

Até então, o recorde era de 2014, quando 55 toneladas de maconha e 913,9 quilos de cocaína foram apreendidos. A quantidade de maconha apreendida em 2015 cresceu 10,5% em relação ao ano anterior. A de cocaína, 57,9%. E a de crack, 31,3%.

A PRF também apreendeu 124 armas de fogo e 6.977 projéteis. Recuperou ainda 715 veículos roubados e apreendeu 20,1 milhões de maços de cigarro contrabandeados. Além das apreensões, 327 pessoas por tráfico de drogas em 2015 no estado.

Segundo a PRF, o aumento no número de apreensões é reflexo do “comprometimento do efetivo e a realização de operações temáticas que contribuem com a difusão de novos conhecimentos e técnicas de fiscalização e combate ao crime”.

Nos últimos sete anos, a PRF calcula que retirou de circulação, apenas no Paraná, 281,7 toneladas de maconha, 4,2 toneladas de cocaína, 4,7 toneladas de crack, 118,8 milhões de maços de cigarros contrabandeados, 912 armas de fogo e 55.957 projéteis. Foram recuperados ainda, no mesmo período, 5.063 carros roubados.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.