Jornalistas ingleses investigam, por dentro, narcotráfico latino-americano

SYLVIA COLOMBO – DE SÃO PAULO

“Por que as Américas se encontram afundadas em sangue no amanhecer do século 21?”, pergunta o jornalista britânico Ioan Grillo em “Gangster Warlords”.

Radicado no México, o autor de El Narco, que esteve na Flip 2015, viajou pela América Latina em busca de respostas. Investigou quatro grupos criminosos do continente, voltados ao narcotráfico: Mara Salvatrucha (El Salvador, Guatemala e Honduras), Shower Posse (Jamaica), Comando Vermelho (Brasil) e Cavaleiros Templários (México).

Grillo mostra como a atuação dessas gangues e seu enfrentamento com polícia e Forças Armadas foram responsáveis pelo assassinato de mais de um milhão de pessoas, desde o começo do milênio até 2010.

Ulises Rodriguez – 20.mai.2013/Reuters
Membro encarcerado da gangue Mara 18 na cadeia Izalco

Como esse número só faz crescer, Grillo rotula o que a América Latina está vivendo hoje como um Holocausto movido pela cocaína.

Outros números estarrecedores são mostrados, como o aumento de 11% das taxas de homicídio no continente entre 2000 e 2011, enquanto no resto do mundo esse número vem caindo. Já o montante de dinheiro que o narcotráfico movimenta por ano é de US$ 300 bilhões, tornando a atividade irresistível para empresários e políticos corruptos sem medo de molhar as mãos em sangue.

Grillo volta no tempo e explica o surgimento de cada uma das facções estudadas. No caso do Comando Vermelho, regressa ao tempo da ditadura militar brasileira (1964-1985), quando presos políticos foram trancafiados junto a criminosos comuns no Rio de Janeiro. Para Grillo, foi nesse ambiente que bandidos adotaram uma hierarquia, e até um glossário, parecidos aos que usava a guerrilha política de então.

Do mesmo modo, Grillo mergulha também nas raízes históricas das gangues e cartéis da América Central, México e Jamaica.

Ainda que existam particularidades em cada caso, Grillo mostra que há muitos paralelos. Das entrevistas com sicários e chefões do tráfico, obtidas a muito custo e com risco para sua integridade física, Grillo conclui que as semelhanças estão na formação das hierarquias de poder, na tomada e manutenção de territórios, no modo como se realizam julgamentos e justiçamentos e na aparente generosidade na relação entre traficantes e as comunidades em que vivem.

Para Grillo, ainda, existem alguns lugares-comuns no tratamento da mídia e dos governos do Primeiro Mundo para o tema do narcotráfico. Por exemplo, o autor não concorda com a ideia de que “o narcotráfico estaria relacionado a algum aspecto intrínseco da cultura da América Latina”.

Primeiro, porque a própria Europa já viveu períodos tão ou mais violentos. Depois, por acreditar que a “extrema pobreza, a desigualdade, os Estados fracos diante da corrupção” têm um papel crucial na equação.

E chama, ainda, a atenção para o efeito limitador que existe ao rotular os chefes de cartéis como líderes narco. Na verdade, há muito que essas figuras se transformaram em um “híbrido de empresários do crime, rockstars, gângsters e generais paramilitares”. Por consequência, os cartéis latino-americanos, hoje, fazem mais do que “apenas” vender drogas. Muito de sua renda vem de extorsões, sequestros, roubo de petróleo, tráfico de pessoas e o comando da mineração em algumas zonas.

NARCONOMIA

Outro título recém-lançado é o do também britânico Tom Wainwright, “Narconomics”. Igualmente baseado em viagens e pesquisas de primeira mão, o objetivo do jornalista, ex-correspondente da “The Economist” no México, é mostrar como o negócio da droga se estrutura aos moldes de empresas capitalistas.

“Os cartéis determinam os preços das drogas e os mantêm estáveis porque têm sob controle os produtores de suas matérias-primas, assim como a Walmart e o McDonald´s, e também entregam franquias ou terceirizam operações, como faz a Coca-Cola e outras empresas.”

Ao irônico subtítulo do livro “como administrar um cartel”, Wainright fornece a explicação: “é, sim, um guia para os barões da droga, mas sobretudo um conjunto de boas pistas sobre como derrotá-los”.

Ulises Rodriguez – 27.mai.2013/Reuters
Weapons handed over to authorities as part of a truce between gangs are laid on the ground in San Salvador May 27, 2013. Gang members handed over weapons in an effort to keep the truce between the country's two most powerful gangs, Mara 18 and Mara Salvatrucha (MS-13), following a truce treaty signed by both sides in March 2012 to reduce violent crimes in the country, local media reported. REUTERS/Ulises Rodriguez (EL SALVADOR - Tags: CIVIL UNREST CRIME LAW SOCIETY TPX IMAGES OF THE DAY) ORG XMIT: TBR02
Armas entregues pelas gangues Mara 18 e MS-13 após trégua proposta pela polícia salvadorenha

O jornalista chama o narcotráfico de “indústria mais brutal da terra”, e contabiliza o número de clientes em mais de 250 milhões de pessoas no mundo.

Numa das passagens mais interessantes da obra, Wainright explica as razões pelas quais o narcotráfico vem sempre acompanhado de tanto sangue. “Este não é um negócio regulado por contratos, portanto não está isento de traições internas, infiltrações, e há um problema evidente para os barões da droga que é como controlar o pessoal que trabalha para eles. Portanto, a única maneira para garantir que os carregamentos cheguem, que não se desviem, que não haja deserções é o uso da força”, explica.

Para o autor, as penas e o sistema carcerário, em todos os países atingidos, precisam mudar. E descreve uma situação que o Brasil conhece bem. “As prisões oferecem um lugar para esconder-se e para recrutar e treinar novos membros, coisas que são extremamente difíceis para as organizações criminosas quando estão livres, pois fora da prisão existem as restrições impostas pela ilegalidade de seu negócio”.

Tanto Wainwright como Grillo defendem alternativas à guerra militar contra o narcotráfico. Pontuam iniciativas não bélicas iniciadas por alguns países e apontam para a necessidade urgente de discussão sobre a legalização das drogas, talvez a única saída para conter esse o fluxo de sangue que vem manchando o continente de forma ininterrupta.

GANGSTER WARLORDS – DRUG DOLLARS, KILLING FIELDS, AND THE NEW POLITICS OF LATIN AMERICA
AUTOR Ioan Grillo
EDITORA Bloombsbury (importado)
PREÇO U$28

NARCONOMICS – HOW TO RUN A DRUG CARTEL
AUTOR Tom Wainwright
EDITORA PublicAffairs (importado)
PREÇO U$26.99

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.