Fábrica de cigarros clandestinos iria abastecer vendedores no Brás

G1

A fábrica de cigarros clandestinos fechada pela polícia no domingo (22), em Vargem Grande Paulista, na Grande São Paulo, iria abastecer vendedores do Brás, no centro da capital, informou o SPTV. A polícia prendeu 13 pessoas em flagrante. Os maços eram produzidos no Brasil, mas vendidos como se tivessem sido contrabandeados do Paraguai.

Na fábrica, a polícia encontrou duas toneladas de fumo, 100 mil maços prontos para distribuição, 100 mil cigarros que seriam embalados, todos com as mesmas marcas contrabandeadas do Paraguai, além de máquinas usadas na produção. Segundo a investigação, parte da mercadoria seria vendida na região do Brás, no Centro de São Paulo.

“Tinha dormitório, tinha cozinha, e eles permaneciam lá, trancados, para não sair e ter informação para a polícia, para não ter contato com a polícia”, disse o delegado José Clésio de Oliveira Filho, responsável pela investigação. “Eles foram contratados para cometer esse crime.”

Os 13 detidos vão responder por organização criminosa, falsificação, violação de direito autoral e crime contra a saúde pública. O dono da fábrica foi identificado, mas permanece foragido.

Em Cotia a polícia encontrou ainda uma gráfica clandestina responsável pela produção das embalagens dos cigarros clandestinos. Ela produzia, ainda, cópia de selos usados no controle da cobrança de impostos no Brasil, que acompanham os maços. O dono do local também foi identificado, mas segue foragido.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.