Sem padronização, maços de cigarro atraem jovens e reduzem alertas sanitários

Jornal EXTRA

Elisa Clavery

Associações contra o tabagismo lutam para padronizar embalagens de cigarro Foto: UESLEI MARCELINO / REUTERS

Não é de hoje que associações contra o tabagismo travam uma batalha pela padronização das embalagens de cigarro. A justificativa, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), é que as cores e o design atraem o olhar de jovens e diminuem o impacto das advertências sanitárias. Em abril de 2015, a Anvisa aprovou a obrigatoriedade de alerta de saúde em 30% da parte frontal dos maços — mas ainda é pouco, dizem especialistas. No dia 31, esse e outros assuntos sobre tabagismo serão discutidos no EXTRA Debate, encontro em parceria com o Inca.

— As embalagens são lindas, usadas como propaganda e colocadas ao lado de balas e chicletes — diz Tânia Cavalcante, secretária executiva da Comissão Nacional para Implementação da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco do Inca: — É preciso reconhecer o tabagismo como doença pediátrica.

Novo modelo de maço de cigarro proposto pela Anvisa em abril do ano passado. Ele, porém, não impede que a marca utilize cores diferentes

Novo modelo de maço de cigarro proposto pela Anvisa em abril do ano passado. Ele, porém, não impede que a marca utilize cores diferentes Foto: Divulgação

O Inca estima que 80% dos fumantes começaram antes dos 18 anos. O alvo da indústria, portanto, são mesmo os jovens, alertam psicólogas.

— As embalagens fazem parte do processo de comunicação, pelas formas, tamanhos e cores, que estimulam sensações em cada indivíduo — diz a psicóloga do Centro Multidisciplinar Fluminense Mirella Benevenuto — Como os jovens estão neste universo de consumo, são mais estimulados a novas experiências.

A psicóloga Suely Pimenta Quirino alerta para quem está mais suscetível ao vício:

— Podem ser jovens influenciados pelo grupo, impulsivos, com baixo desempenho escolar e baixo autoestima.

A Aliança de Controle ao Tabagismo lançou, nesta semana, petição para a padronização do tabaco. Com a hashtag #AcabouODisfarce, ela alega que as crianças estão na mira da indústria de tabaco.

Anvisa apoia padrão e deve mudar verso

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que apoia a padronização, já que estudos comprovam que a embalagem genérica aumenta a eficácia da advertência, reduz a atratividade e diminui estratégias que tentam promover o produto “de forma enganosa”. O órgão disse que estuda trocar as imagens obrigatórias no verso das embalagens — já que as atuais, por serem conhecidas do público, podem causar menos impacto. A expectativa é que a mudança ocorra até 2018.

— As imagens estão nos maços desde 2009. Temos análises que mostram os impactos positivos, mas com o tempo, se você não muda, perde-se esse impacto — avalia Tânia.

No Brasil, 52,3% dos fumantes pensaram em parar devido às advertências nos maços de cigarros, segundo pesquisa do IBGE de 2013.

A Anvisa disse, ainda, que precisa aguardar uma decisão do Legislativo para regulamentar o tema. No Congresso, circulam projetos de lei para padronizar os produtos.

Evento no dia 31 debate o assunto

Encontro — O tema do evento do EXTRA em parceria com o Inca é “Embalagem de cigarro: por que padronizar?”. Além da discussão sobre a importância de reduzir o apelo das embalagens de produtos do tabaco, outras dúvidas sobre o fumo serão debatidas. O debate será no dia 31 de maio, às 11h.

Participantes — Estarão no evento a médica Tania Cavalcante, mestre em saúde pública e atuante no controle do tabagismo; Anna Monteiro, diretora de comunicação da Aliança de Controle do Tabagismo (ACTBR); Rejane Spitz, professora do Departamento de Artes & Design da PUC/RJ; e Ricardo Meirelles, médico pneumologista do INCA. O evento será mediado pela jornalista do EXTRA Flávia Junqueira.

Onde — Auditório do 8° andar do prédio-sede do INCA (Praça Cruz Vermelha 23, no Centro do Rio).

Participação — Para participar, basta comparecer ao local com a carteira de identidade. As vagas são limitadas porque o auditório é sujeito a lotação.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.