‘Se tem THC na semente, é crime’, diz delegado do Denarc de São Paulo

Jornal O Estado de São Paulo

A principal preocupação do departamento é com o comércio feito pelos sites que não são rastreáveis, ou seja, que estão na ‘deep web’

Luiz Fernando Toledo e Bruno Ribeiro,
O Estado de S. Paulo

Foto: Divulgação

Segundo delegado, até agora, não houve nenhum caso de traficante que recebesse encomendas de drogas compradas no exterior pela internet

SÃO PAULO – O delegado de polícia Ruy Ferraz Fontes, diretor do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcótico (Denarc) de São Paulo, afirma que a importação de sementes que contenham o THC, princípio ativo da maconha, é comparável à importação da erva já pronta para o consumo. “Se tem THC na semente, é crime de tráfico”, diz o delegado.

Segundo Fontes, a principal preocupação do departamento é com o comércio feito pelos sites que não são rastreáveis, ou seja, que estão na “deep web”. O delegado afirma que, até agora, não houve nenhum caso de traficante que recebesse encomendas de drogas compradas no exterior pela internet. “Todo o comércio de substâncias que são proibidas pela Anvisa(Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é alvo de investigações.”

E é justamente essa uma das preocupações de especialistas no comércio eletrônico. O Global Drugs Survey (GDS), questionário feito anualmente para tentar traçar hábitos do consumo de entorpecentes no mundo, aponta crescimento na busca por maconha e cocaína sintéticas, processadas para não conter substâncias proibidas nos países e que imitam os efeitos das drogas tradicionais.

Segundo a pesquisadora Clarice Madruga, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), uma das coordenadoras no Brasil do GDS, o crescimento das apreensões “coincide com os dados que temos e com os do UNODC (escritório das Nações Unidas para crimes e drogas)”.

Os números de 2015, que estão sendo divulgados neste mês, mostram que 4,9% dos brasileiros que participaram da pesquisa já compraram drogas pela internet – e 2% das compras foram na “deep web”. Além disso, 70% dos entrevistados já haviam consumido droga pelo menos uma vez na vida. “Os dados são indicadores, uma vez que pesquisa é online.”

A pesquisa de 2016, que está disponível para preenchimento voluntário, deve indicar consolidação ou mudança da tendência. O questionário pode ser acessado em www.globaldrug survey.com/GDS2016.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.