Uso de drogas aumenta entre os adolescentes no país

O Globo

Jovens também estão se arriscando mais em relações sexuais sem preservativos, diz IBGE

55,5% dos adolescentes revelaram já terem experimentado bebidas alcoólicas – Márcio Alves / Agência O Globo

RIO — O adolescente brasileiro está usando mais drogas, tanto lícitas como ilícitas, e se protegendo menos nas relações sexuais. É isso o que aponta a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense), divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE. O estudo, referente ao ano de 2015, foi realizado com estudantes concluintes do 9º ano em escolas públicas e privadas de todo o país, com idades majoritariamente entre 13 e 15 anos. De acordo com os resultados, o percentual de jovens que já experimentaram bebidas alcoólicas subiu de 50,3%, em 2012, para 55,5%; enquanto a taxa dos que já usaram drogas ilícitas subiu de 7,3% para 9%.

— Infelizmente, foi essa a constatação — disse o gerente da pesquisa, Marco Andreazzi. — Entre as drogas ilícitas, o percentual é pequeno, mas significativo. Mas com a bebida alcoólica, com mais da metade da população pesquisada já tendo experimentado, nós temos um problema grave.

Pela legislação brasileira, a venda e o consumo de bebidas alcoólicas são proibidos para menores de 18 anos, mas os números revelam que a prática é bastante difundida entre os mais jovens. O problema é levemente mais grave entre as meninas, com 56,1% delas já tendo experimentado álcool, contra 54,8% entre os garotos.

A forma mais comum de se conseguir bebidas acontece em festas, apontadas por 43,8% dos adolescentes que já consumiram álcool, mas 17,8% deles revelaram ter conseguido bebidas com amigos; 14,4% comparam em mercado, loja ou bar; e 9,4% conseguiram a bebida com alguém da própria família.

Entre as drogas ilícitas, 4,2% dos entrevistados revelou ter feito uso nos 30 dias que antecederam a pesquisa, um indício que eles fazem uso regular das substâncias. Neste caso, são os meninos que fazem mais uso (4,7%) que as garotas (3,7%). O estudo questionou o uso específico da maconha, e 4,1% dos estudantes revelaram terem fumado nos últimos 30 dias antes da realização do questionário.

Estudo realizado com concluintes do 9º ano do Ensino Fundamental – acesse: http://oglobo.globo.com/sociedade/uso-de-drogas-aumenta-entre-os-adolescentes-no-pais-19996988

MENOS CONTATO COM O CIGARRO

A boa notícia vem do cigarro. O número de adolescentes que relatou já ter feito uso do tabaco caiu de 19,6% em 2012 para 18,4% em 2015, mas o percentual de estudantes que relatou ter fumado nos 30 dias anteriores à realização da pesquisa sofreu um pequeno aumento, de 5,1% para 5,6%.

Em relação às práticas seguras no sexo, os adolescentes estão menos atentos ao uso do preservativo. De acordo com a Pense 2015, a taxa de jovens que já tiveram relações sexuais caiu ligeiramente nos últimos três anos, de 28,7% em 2012 para 27,5% no último ano. Entretanto, o percentual de entrevistados que uso camisinha na última relação despencou quase dez pontos percentuais, de 75,3% para 66,2%.

O problema é particularmente grave no Sudeste, onde o índice ficou em 63,6%, abaixo da média nacional. E o estado onde os jovens mais se arriscam com práticas inseguras durante o sexo é São Paulo, com percentual de 61,2%.

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.