Droga que matou Prince é nova aposta de cartéis mexicanos

The New York Times

Prince morreu de uma overdose acidental de fentanil, droga 40 vezes mais potente que a heroína (Jamie Squire/Getty Images)

CIDADE DO MÉXICO — A droga que matou o músico Prince se tornou a menina dos olhos dos cartéis mexicanos por ser extremamente potente, popular nos Estados Unidos e imensamente lucrativa, segundo as autoridades americanas.

As autoridades policiais e alfandegárias dos Estados Unidos alertam que cartéis mexicanos estão usando seus próprios laboratórios para produzir essa droga, o fentanil, além de receberem carregamentos da China. Os cartéis então distribuem a substância através das suas vastas redes de contrabando, atendendo assim à crescente demanda americana por opiáceos e produtos farmacêuticos.

“É a nova migração dos cartéis em termos de obtenção de lucros”, disse Jack Riley, funcionário da DEA (agência antidrogas dos EUA). “Eles anteciparam isso.”

Não se sabe ao certo como Prince obtinha a droga que, segundo as autoridades, causou a overdose fatal sofrida por ele em abril. Os médicos podem prescrever o fentanil, um opiáceo sintético, para pacientes com câncer e para cuidados paliativos. Mas a presença de fentanil ilícito está crescendo a níveis inéditos desde 2006, quando uma série de mortes por overdose nos EUA foi vinculada a um único laboratório no México.

Autoridades dizem que a popularidade do fentanil entre os cartéis mexicanos segue um roteiro bem conhecido: a repressão ao uso indiscriminado de remédios vendidos sob receita fez disparar o preço de medicamentos como oxicodona, e os cartéis apostaram que usuários optariam pela heroína — mais barata, mais abundante e relativamente mais fácil de se conseguir.

Agora, o fentanil se tornou versão mais lucrativa — e letal — desse fenômeno. Um quilo de heroína comprado na Colômbia por US$ 6.000 pode ser vendido no atacado nos EUA a US$ 80 mil, segundo a DEA. Já um quilo de fentanil puro, adquirido na China por menos de US$ 5.000, é tão potente que pode render de 16 a 24 kg depois de “batizado” com substâncias como talco e cafeína. Cada quilo é então vendido no atacado pelos mesmos US$ 80 mil da heroína – gerando um lucro total próximo de US$ 1,6 milhão (R$ 5,6 milhões).

As autoridades mexicanas temem que seus colegas americanos estejam culpando o México apesar de disporem apenas de dados limitados sobre o tráfico de fentanil entre os dois países. Já houve, no entanto, apreensões notáveis dessa droga no México. Alguns meses atrás, agentes mexicanos descobriram 27 kg de fentanil – dosagem equivalente a quase uma tonelada de heroína – numa remota pista de pouso no Estado de Sinaloa. Os policiais também encontraram cerca de 19 mil comprimidos de fentanil manipulados para terem o aspecto da oxicodona. Dois homens detidos no local eram membros do Cartel de Sinaloa.

“Depois da apreensão de 2015, intensificamos os esforços entre todos os órgãos públicos”, disse o general Inocente Fermín Hernández, chefe do Centro Nacional de Planejamento, Análise e Informação para o Combate à Delinquência (Cenapi) do México. “Percebemos que precisamos tomar as medidas apropriadas para saber e investigar se estamos lidando com o fentanil cada vez que encontramos um laboratório.”

Sua potência, cerca de 40 vezes maior que a da heroína, fez do fentanil uma opção popular e uma aposta rentável para os traficantes. Vendida em formas menos puras, a droga pode ser 20 vezes mais lucrativa que a heroína.

Agentes de fronteira dos EUA apreenderam no ano passado 90 kg de opioides sintéticos, como o fentanil, segundo R. Gil Kerlikowske, comissário de Alfândegas e Proteção de Fronteiras do país. A quantidade parece pequena, mas em 2014, por exemplo, apenas 4 kg foram apreendidos.

As mortes por overdose cresceram: entre o final de 2013 e o final de 2014, mais de 700 americanos perderam a vida por causa de overdoses associadas ao fentanil.

O fentanil muitas vezes é misturado à heroína para intensificar sua potência. Ele também pode ser diluído e ingerido diretamente, em doses muito pequenas, equivalentes a alguns grãos de sal. Cada vez mais, no entanto, essa droga é oferecida na forma de falsos comprimidos de oxicodona.

Alguns especialistas apontam uma falta de dados concretos que comprovem o envolvimento dos cartéis. A maioria das apreensões de narcóticos no México ainda consiste principalmente de heroína, cocaína e metanfetaminas.

Agentes antidrogas dizem que a distribuição do fentanil espelha os padrões usados pelos cartéis para outros produtos, como heroína. Segundo Riley, uma gangue de rua de Chicago, a Gangster Disciples, que distribui drogas para cartéis na cidade, espalha o fentanil no mercado, chegando a New Hampshire.

Mas Hernández disse que, até onde o governo mexicano sabe, houve apenas quatro episódios envolvendo o fentanil no país na última década. Segundo ele, porém, a procura por essa droga é nova, e sua prevalência provavelmente é pouco detectada.

O fentanil, geralmente apresentado na forma de um pó branco, pode ser introduzido por contato com a pele. Dada a sua potência, pode causar uma overdose apenas pelo toque, especialmente no caso de não usuários.

Hernández disse não haver registro de morte de mexicanos por overdose de fentanil. Mas ele observou que o México é mais frequentemente um fornecedor de drogas do que um usuário.

“O fentanil é muito difícil de detectar à primeira vista”, disse. “Nem todo mundo é capaz de reconhecê-lo.”

Anúncios

Sobre Clínica Alamedas

A dependência química está relacionada a diversas questões, seja no aspecto psicológico, biológico, social, econômico ou cultural de toda a família e pessoas ao redor do paciente. A clínica Alamedas possui uma estrutura completa com profissionais competentes e experientes para ajudar cada paciente e a sua família a superar a dependência química, com qualidade de vida e saúde.
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.